• Karolina Vieira

Fevereiro roxo: dores da fibromialgia atingem 4 milhões no Brasil

Atualizado: Fev 5

Segundo pesquisa, 70% das pessoas que sofrem com a condição sentem dores de cinco a sete dias por semana. Protocolos desenvolvidos pela USP ajudam a estimular a resposta do organismo à dor


“Se não há cura, que ao menos haja conforto". Esse é o mote do Fevereiro Roxo, mês de atenção às doenças Fibromialgia, Alzheimer e Lúpus, que têm em comum o fato de serem doenças sem cura. A fibromialgia afeta 4 milhões de pessoas no Brasil, principalmente mulheres de 35 a 44 anos, segundo dados da Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED).


“Dor é um fator subjetivo e sofre influência da fisiologia e até da cultura. Para afetar uma mulher - que fisiologicamente é mais resistente à dor - e deixar essa pessoa imobilizada, fadigada, cansada e reclamando de dor, o quadro deve ser no mínimo moderado a grave. As pessoas com dores moderadas tendem a tentar o tratamento medicamentoso. Os pacientes que têm chegado até nós, são pacientes com dores graves” quadros de vários anos, afirma o fisioterapeuta, doutor em Saúde Coletiva e diretor técnico do Espaço Estar Bem, Carlos Magno Neves.

0 visualização0 comentário

Quer conhecer a #EstratégiaPlena?

Fale com a gente pelo Whataspp

  • Facebook Plena Estratégias Criativas
  • Instagram Plena Estratégias Criativas
  • Pinterest Plena Estratégias Criativas